Giany de Almeida consultora Mary Kay.

Giany de Almeida consultora Mary Kay.
Contato: gianydealmeida@hotmail.com

sábado, 27 de junho de 2009

O São João do Norte- Nordeste.

A festa do Boi-bumbá,
ou Festa do Boi, ou ainda Brincadeira do Boi , têm sua origem no Nordeste do Brasil, onde derivou de outra Dança típica de lá, o Bumba-meu-Boi. Com as constantes imigrações de Nordestinos para a Região Norte do Brasil ,em especial para o Estado do Amazonas, houve também a imigração de manifestações culturais como o Bumba -meu- Boi que logo foi assimilado pela população e ganhou aspecto local. É uma história muito rica e com muitas vertentes contadas de diferentes maneiras, mas com o objetivo de transmitir sua cultura e tradição.

A FESTA DO BOI-BUMBÁ : O Boi-bumbá tem sua história idêntica ao Bumba-meu-boi , é uma espécie de ópera popular, cujo enredo não varia muito entre os inúmeros grupos de Boi-Bumbá existentes mas, basicamente, desenvolve-se em torno da lenda do fazendeiro que tinha um boi de raça, muito bonito, e querido . As apresentações dos bois em Parintins desenvolvem-se de acordo com um enredo que conta a história do Negro Francisco, funcionário da fazenda e cuja sua mulher, Catirina fica grávida e sente desejo de comer a língua do boi. fica desesperado. Com medo de Catirina perder o filho que espera, caso o desejo não seja atendido, resolve roubar o boi de seu patrão para atender ao desejo de sua mulher.
Então, segundo o enredo, Negro Francisco mata o boi preferido do patrão. O amo descobre e manda os índios Guerreiros caçarem Negro Francisco, que busca um pajé para fazer ressuscitar o boi. O boi renasce e tudo vira uma grande festa. O imaginário indígena e detalhes religiosos dos índios ,como pajés e feiticeiros , foram incorporados com mais influência ao Boi-Bumbá.

Amazonas:
O Festival Folclórico de Parintíns: Um dos grandes marcos para a divulgação do Boi-Bumbá foi grandiosa festa dos bois de Parintins, realizado na Cidade de Parintins cerca de 400 Km de Manaus, no Amazonas desde 1913, no mês de julho.O imaginário indígena e figuras religiosas como pajés e feiticeiros foram incorporados às tradições da festa. Por isso, durante o Festival Folclórico de Parintins, a cidade é chamada de “ilha Tupinambarana” e os Bois Garantido e Caprichoso se apresentam no Bumbódromo.
Durante a apresentação, cada Boi leva aproximadamente um tempo de 3 horas. Fazem parte da apresentação efeitos especiais com luzes e cores, show pirotécnico . Os bonecos gigantescos representando cada personagem ,cada uma dos Bois leva ao Bumbódromo cerca de aproximadamente 5 .000 participantes. Cerca de 35.000 pessoas prestigiam o espetáculo anualmente.
Garantido e Caprichoso
As cores vermelho do Boi Garantido , e azul do Boi Caprichoso, tomam conta do Bumbódromo, espécie de arena, semelhante a um Sambódromo.

Existem algumas explicações sobre a origem dos nomes dos Bois , mas uma delas é a mais aceita para a origem dos nomes dos Bois Garantido e Caprichoso, esta explicação refere-se ao Poeta Emídio Vieira e seu amor proibido pela mulher do repentista Lindolfo Monteverde. Ambos apresentavam seus bois todos os anos.
Como não podia ter a mulher de Lindolfo Monteverde.
Emídio Vieira lançou o seguinte desafio a Lindolfo Monteverde boi".:
"Se cuide que este ano eu vou caprichar no meu
".
Lindolfo Monteverde respondeu:
"Pois capriche no seu que eu garanto o meu".

Assim nasceu o nome, e a rivalidade foi crescendo a cada ano. Existiam outros grupos de apresentação de Bois que foram desaparecendo e apenas os Garantido de Lindolfo Monteverde e o Caprichoso de Emidio Vieira se mantiveram.



Pará:
Conta-se que na Belém da segunda metade do século XIX, o Boi-Bumbá reunia negros escravos em um folguedo que misturava, ao ritmo forte, a representação de um motivo surpreendente para a época: a luta de classes dentro da sociedade colonial. O boi acabou se tornando uma das manifestações mais autênticas da cultura paraense.
A composição do elenco varia de grupo para grupo e de região para região. De um modo geral todos incluem ainda a moça branca filha do casal de fazendeiros,
vaqueiros,


cuzimbá (um preto velho),
a maloca dos
índios guerreiros
com seu chefe, o doutor curador,
o padre e o tripa ( a pessoa que dança em baixo do boi).




Maranhão:

Verdadeira explosão de ritmos e cores, o Bumba-meu-boi é a mais importante manifestação folclórica do Maranhão. Suas raízes são negras, indígenas e européias, e suas origens se perdem no tempo.
Um dos aspectos mais interessantes do boi são os seus sotaques, ou ritmos.



Sotaque da Ilha - ocorre em toda a ilha de São Luís. Predominam as matracas e padeirões. Boi da Maioba, Maracanã e Ribamar são alguns dos mais fortes representantes. São os chamados "batalhões pesados".


Sotaque de Pindaré - ocorre na região do vale do Pindaré, nos municípios de Viana, São João Batista e Pindaré. Também usa pandeiros (menores que os utilizados pelos bois da ilha) e matracas. Seu ritmo é mais lento.


Sotaque de Zabumba - O nome decorre das zabumbas (tambores), que são utilizados na brincadeira. Para alguns pesquisadores é o mais original de todos os bois. Se destacam nesse grupo o Boi de Lauro, Boi de Leonardo e de Antero.


Boi de Orquestra - Usa instrumentos de sopro como saxofones, clarinetas, flautas e banjos. Valorizam as coreografias. Os bois de Axixá, Morros e Rosário são os que melhor representam este sotaque
.

Outro ponto interessante é a riqueza das indumentárias, os bordados no couro do boi, na roupa de vaqueiros e índias, as penas coloridas e a maneira de dançar de cada personagem. Esses passos tb variam de acordo com o sotaque. No bordado são utilizados canutilhos, miçangas, etc. formando desenhos mto interessantes e bonitos. Tem roupas que demoram 6 meses para serem bordadas.
É mto bonito tb ver o empenho das comunidades pra não deixarem morrer essa cultura. Bordam até de madrugada, durante meses a fio pra gente ver esse resultado maravilhoso.



"VAI BOI DE MORROS, BALANÇA, BALANÇAAAA.....PRA LÁ, PRA CÁ, PRA LÁ, PRA CÁ...." Tio Pataca





Por isso eu bato no peito: "SOU MORRUENSE COM MUITO ORGULHO!" by Cau Costa



"Eu te conheci
Naquela noite sem lua
Quando a cidade nua
Banhava na escuridão

O céu todo estrelado
Foi quem presenciou
Quando o senhor cupido
O meu coração flechou

Eu me encandeei
Na luz desse teu olhar
Eu me apaixonei
Ao te abraçar
Tua voz no meu ouvido
Falando coisas de amor
Foi aí que aquele beijo
Selou o nosso amor"

Boi de Morros

http://www.cdpara.pa.gov.br/boi.php

Fotos: Arquivo Google imagens, Boi de Morros


Agradecimentos: Minha querida amiga Claúdia Costa Componete do Boi de Morros.
Pelas Fotos de Ilustração, tiradas de seu Orkut =)

Um comentário:

Cláudia disse...

Mto bem minha amiga! Vc pesquisou bem e retratou de forma bem detalhada nossa festa de Bumba-Meu-Boi. Amei as fotos "emprestadas"! Tenho certeza q irá despertar a curiosidade de quem não conhece de perto essa rica cultura nascida no Maranhão.
Um bj, minha princesa!